22.12.15

A Carruagem


Alegria não é mera ausência de tristeza
Tristeza não é carência de felicidade
Completam-se, não disputam.

Irmãs siamesas, ímpares e pares
E para ancorar na foz desse rio
Aos brados, o Capitão Rosa:

- Coragem!


O Hierofante


Entre a fumaça e o espelho
Flertou com ilusões tardias
de um sorriso que nunca veio.

Tu moras em uma ilha
de areia branca e água fria
Que pena!

Isolado, virgem receptáculo
Não conheceste a quentura
da andorinha ou o verde
e a colméia.

Era inverno no inferno.
E não havia saída.

A Torre



Por um segundo me enganei
Cárcere do íntimo, cativo de mim
Ébrio na quimera do mundo
Esfinge e feiticeira realidade,
Você me amaldiçoou.

A peleja na teia conforma.

Emaranhado, enganado pelos sentidos
Decompus a existência dentro de mim,
[a partir de mim]
toda substância dissolvida na minha experiência.

O que sou? Tudo, nada?
O que há?

Ser é explodir para dentro do mundo. Para fora de si.
Só há sentido na simbiose.
Sou quando tu és.
Destrona-se, assim, o reinado do eu.




12.1.15

Uma rima


Da minha gaiola
eu ouço os pássaros
mas não vejo o céu.

Da minha rua
eu sinto o sol
mas não beijo o véu.

Embriagado de mim
traço os caminhos que não segui
envolvido nessa balada sem fim
a caixa vazia não preenchi.