14.2.13

Não me toque


Não desejo seus dons, sempre evito seu olhar.
Esquivo do seu bálsamo, não quero purgar meu veneno.
Já me afastei uma, duas, mil vezes do amor.
Não renuncio à loucura.
Não preciso de uma cura.
Eu gosto é da dor.

Sem refil




De amores perdidos só me sobraram canecas e canetas vazias.